Siga-nos no Twitter! Curta nossa fan page no Facebook!

 

Era uma vez uma estrela.

Uma entre tantas no firmamento, ocupava desde sempre seu lugar entre suas milhares de companheiras, cumprindo seu destino de brilhar. Mas, há algum tempo, sentia-se incomodada. “Não me satisfaço em simplesmente estar aqui”, pensava ela. “Quero algo mais, desejo representar algo maior, quero um lugar só meu, onde eu seja mais que apenas admirada”.

E a estrela, decidida, abandonou seu lugar no céu e passou a percorrer o Universo, certa de que, em algum lugar, haveria de cumprir seu verdadeiro destino. Percorreu mundos, galáxias e constelações, mas sem conseguir encontrar aquele lugar especial que, ela sentia, seria seu para sempre.

Por anos e anos, muito além de nossa escala do tempo, a estrela buscou o que procurava, sem desanimar. Sabia, em, seu íntimo, que o lugar que tanto buscava existia e estava apenas esperando por ela. Às vezes, sentia sua convicção balançar: “Estarei enganada? Será que esse lugar que tanto desejo realmente existe?” Mas sua esperança era maior que a dúvida, e, espantando a incerteza, prosseguia em sua busca.

Até que, um dia, ao passar por um dos braços afastados da Via Láctea, a estrela teve sua atenção despertada por uma pequena pérola azul, quase imperceptível no meio de tantos astros maiores e mais brilhantes. “O que será aquilo?” pensou a estrela. Curiosa, aproximou-se. A pérola era um planeta minúsculo, mas de alguma forma profundamente belo.

Encantada pelo planeta, a estrela aproximou-se mais, e começou a sentir uma forte emoção. “Estou perto, muito perto de meu objetivo!”, pressentiu. Mergulhou na densa camada de gases que envolvia a pérola azul. Subitamente, sentiu-se atraída para um determinado ponto na superfície do planeta.

“O que é isso?”

Naquele lugar, que ela depois saberia chamar-se Maracanã, havia uma imensa multidão, acomodada em torno de uma área coberta de grama. E nessa área havia um pequeno grupo de pessoas, vestindo roupas nas cores azul e branca, que agiam de um modo estranho: riam, choravam, abraçavam-se, gritavam e pulavam de alegria, enquanto carregavam um enorme objeto de cristal. A estrela percebeu que aquelas não eram pessoas comuns, mas valorosos guerreiros, que haviam acabado de alcançar seu maior triunfo e conquistado um prêmio extraordinário, o tal objeto cristalino.
A estrela sentiu-se contagiada por aquela indefinível sensação de júbilo. E, finalmente, compreendeu:

“É aqui o meu lugar!”

“Ficarei aqui, junto a esses valentes guerreiros, e ao me verem eles sempre se lembrarão deste momento. Serei o símbolo de sua maior glória, e eles e seus seguidores me honrarão para sempre!”

E, nesse dia, 30 de junho de 2004, há exatamente 1 ano, a estrela encontrou seu lugar.

Desde então, repousa feliz e orgulhosa acima do brasão do Esporte Clube Santo André, como símbolo da maior conquista do clube: o título da COPA DO BRASIL.

Mas ela não é egoísta, e não quer esse lugar de honra só para si. Sabe que outras estrelas em breve virão fazer-lhe companhia – e, como nós, não vê a hora de que isso aconteça.

Texto: Carlos Silva


 



 

Ramalhonautas - Balançando a Rede! O Site do Torcedor Ramalhino
®2004/2016 - Todos os Direitos Reservados